Publicado em 17/12/2018 - em

CRP-13 marca presença na última Apaf de 2018

Durante três dias (14, 15 e 16 dezembro de 2018) representantes do Sistema Conselhos de Psicologia, constituído pelos 23 Conselhos Regionais de Psicologia e pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), participaram da Assembleia das Políticas, da Administração e das Finanças (Apaf), ocorrida em Brasília-DF.

A Apaf acontece duas vezes ao ano e possui como objetivo tomar decisões que influenciam as ações na gestão do Sistema Conselhos de Psicologia, a exemplo de aprovação do regimento eleitoral, prestação de contas e regimento interno do CFP, fixação de parâmetros para cobrança de anuidades, etc.

Na última Apaf de 2018, entraram em pauta discussões como a aprovação da resolução sobre a nova carteira de identidade profissional da Psicologia, ampliação do Sistema Eletrônico de Informações, criação do CRP-24 e criação de uma nota em apoio às mulheres que denunciaram casos de violência em estabelecimento religioso no Estado de Goiás.

Veja abaixo o resumo das aprovações da segunda Apaf 2018:

  • Aprovada resolução sobre a nova carteira de identidade profissional da Psicologia

    A minuta de resolução que define a nova da carteira de identidade profissional (CIP) da Psicologia e sua versão digital, a e-CIP, foi aprovada por unanimidade pela Assembleia das Políticas, da Administração e das Finanças (Apaf) do Sistema Conselhos de Psicologia.

    Esta versão digital da CIP impressa possibilitará a identificação da(o) profissional, por intermédio de aplicativo específico e certificado de atributo e poderá ofertar outros serviços, como emissão de boletos, agendamento de serviços disponibilizados pelos Conselhos Regionais de Psicologia.

    A nova resolução também prevê detalhes sobre como será feita a confecção das novas carteiras, desde o tipo de material até como será realizada a sua distribuição.

    A nova CIP será confeccionada em formato similar ao do cartão de crédito, em policarbonato, material mais resistente e que oferece mais recursos de segurança. Ela possuirá mais tecnologias, como a utilização de chip, que permite a inserção de certificado digital; QR Code; e também será proposta a carteira digital, similar a outros documentos, como o e-Título e e-CNH.

    Vale lembrar que a atualização das carteiras profissionais deverá ocorrer de forma gradativa. Ou seja, não será necessário realizar um novo recadastramento e o documento antigo continuará valendo. Porém, após resolução entrar em vigor, os Conselhos Regionais não poderão mais emitir as carteiras profissionais antigas.

  • Apaf aprova criação do CRP-24

    O Sistema Conselhos passará a contar com mais um Conselho Regional a partir de 1º de janeiro de 2019. Trata-se do Conselho Regional de Psicologia da 24ª Região (CRP-24), que abrangerá os estados de Rondônia e do Acre, que terá sede em Porto Velho (RO) e uma seção no Acre. Os estados se desmembram do CRP-20, que agora reúne os estados do Amazonas e Roraima.
    O desmembramento considera a necessidade de maior descentralização da gestão da entidade, proporcionando a mobilização e participação das(os) profissionais de cada unidade da federação. Os recursos para aquisição da sede e subsede do novo Regional estão garantidos.
    A aprovação da resolução que cria o CRP-24 é uma antiga demanda da profissão no Norte do país. Em maio de 2018 a Apaf aprovou relatório apontando a viabilidade administrativa e financeira sobre o desmembramento do CRP-20. O processo de discussão começou a ocorrer durante eventos preparatórios para o VIII Congresso Nacional de Psicologia (CNP), em 2013.
    Os estados de Rondônia e do Acre possuem juntos 2.639 psicólogas (os). Os estados da Amazônia e Roraima têm 5.025 psicólogas (os).

  • Ampliação do SEI! é deliberada na última Apaf do ano

    O Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP – 4ª Região/MG) será o próximo do Sistema Conselhos a implantar o Sistema Eletrônico de Informações (SEI!). A deliberação sobre o processo de ampliação do SEI! aconteceu nesta sexta-feira (14), primeiro dia de reunião da Assembleia das Políticas, da Administração e das Finanças (Apaf), que segue até domingo (16), na sede do Conselho Federal de Psicologia (CFP), em Brasília.
    O Sistema funciona desde setembro de 2017 no CFP e foi implantado como projeto piloto no CRP-01 (DF). O calendário de implantação do SEI! nos Conselhos Regionais e o relatório de conclusão do projeto piloto serão disponibilizados aos CRPs em janeiro de 2019, para compartilhamento das experiências e para que os Conselhos Regionais possam se organizar para receber o SEI!.
    O objetivo é integrar o Sistema Conselhos, trazendo mais agilidade, transparência e economicidade aos processos.

  • Nota de apoio às mulheres que denunciaram violência sexual sofrida no estado de Goiás

    O Sistema Conselhos de Psicologia, constituído pelos 23 Conselhos Regionais de Psicologia e pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), reunidos durante Assembleia das Políticas, da Administração e das Finanças (Apaf), nos dias 14, 15 e 16 dezembro de 2018, vem a público manifestar solidariedade a todas mulheres que denunciaram violência sexual sofrida em estabelecimento religioso no Estado de Goiás.

    No último mês, casos de violência contra a mulher ganharam as mídias e redes sociais, suscitando um grande debate a respeito do tema. Violências que são cotidianas na vida de muitas mulheres brasileiras anônimas tornaram-se manchete devido à particularidade de terem ocorrido em ambiente de cunho religioso, somado a isso, tais violências ocorreram em momento de fragilidade pessoal das mulheres.

    Em relação a esta situação, ressalta-se o compromisso da Psicologia brasileira de apoio e solidariedade a todas as pessoas em situação de violência, bem como reafirma a defesa da garantia dos direitos humanos.

    Destaca-se a importância de escutar com empatia os relatos que surgiram nas diferentes mídias, pois nesse momento em que as mulheres encontraram a possibilidade de denunciar a violência sexual sofrida, faz-se importante o apoio coletivo da sociedade.

    Por isso a necessidade de proteger as mulheres da exposição e repercussão nas mídias sociais, evitando a propagação de mensagens com explicações causais dos fatos, culpabilizando e/ou julgando pessoas de forma preconceituosa, reducionista e fragmentada. É de suma importância abordar situações de violência sexual, considerando a complexidade desse fenômeno, que envolve aspectos individuais, coletivos, culturais, econômicos e políticos.

    As violências sexuais ferem a intimidade das pessoas. É difícil para as mulheres falarem de algo que é cercado por tabu e preconceito. Com relação aos aspectos psicológicos encontrados em pessoas em situação de violência, é necessário frisar que o sentimento de vergonha e culpa são intensos. A maioria das vítimas de violências sexuais acreditam que algo que elas possuem em seu corpo, e/ou em sua maneira de ser, atrai essa forma de violência. Culpa construída historicamente em razão da cultura do estupro, do machismo e do patriarcado. A culpa não é e nunca será da vítima.

    O ato de denunciar situações de violência envolve um processo de muito sofrimento, onde mulheres ensaiam repetidamente como revelar e ao mesmo tempo evitam a revelação pelo medo de não serem compreendidas, julgadas e responsabilizadas pela violência em que, na verdade, foram as vítimas. Em especial, nessa situação, há fatores que aumentam a vulnerabilidade por se tratar de mulheres que buscaram ajuda espiritual, em momento de dor, angústia e desespero, e ali depositavam esperança de cura.

    Reafirmamos o compromisso da Psicologia com a construção de uma sociedade que respeite a diversidade, que seja democrática e que trate com dignidade e respeito todas as pessoas que denunciam as violações de direitos.

Fonte:
« voltar para a lista